loader image
X
Olá! Deixe-me guiá-lo pelo mundo digital.
Acumulamos experiência em vários setores! Vamos começar?
Faço parte de uma equipa multidisciplinar com diversas qualificações técnicas!
Cada projeto é uma viagem ao futuro com os nossos clientes!
Vamos iniciar uma nova rota juntos?
Tome decisões mais rápidas e vencedoras. Nós ajudámos!
Junta-te à nossa equipa!
Quer aumentar as oportunidades de negócio da sua empresa?
Descubra o que vem a seguir!
Sem categoria 7min

“Ainda mais segredos de CSS” – Palestra de Lea Verou na Mirror Conf 2018

Ler Artigo

A Lea Verou é investigadora no MIT CSAIL (Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial) e é também, desde 2012, perita convidada no grupo de trabalho de CSS da W3C, que é o comité que cria e estende a linguagem de CSS.

No segundo dia de palestras da edição de 2018 da Mirror Conf, assistimos a uma das palestras da Lea Verou, “Even More CSS Secrets” (Ainda mais segredos de CSS). Esta é a terceira numa série de palestras que a Lea Verou tem vindo a fazer com grande sucesso, começando em 2011 com “CSS3 Secrets” (Segredos do CSS3) e em 2012/2013 com “More CSS Secrets” (Mais segredos de CSS), em que a premissa é simples: Programando ao vivo, Lea mostra-nos 10 particularidades do CSS que poderão não ser amplamente difundidas e que permitem ampliar o leque de ferramentas de quem cria estilos na web.

Esta série teve tanto sucesso que levou à publicação do livro CSS Secrets, e a mais de 100 palestras por todo o mundo.

 

Nesta palestra Lea mostrou-nos segredos de CSS relativamente aos seguintes assuntos:

 

  1. Texto Recortado

Através da propriedade “mix-blend-mode” ao utilizarmos texto branco sobre fundo preto, sobrepostos a uma imagem de fundo, conseguimos o seguinte efeito:

Imagem de fundo: marius badstuber / https://unsplash.com/photos/jrly8X7VfAc

 

Este efeito funciona devido a um modo de mistura chamado “multiply” ( Um termo que os utilizadores de Photoshop devem reconhecer) e em que a cor mais escura é multiplicada pela cor mais clara, e no caso do branco, a cor de fundo fica sempre visível a 100% (uma vez que X * 100% = X).

Infelizmente, apenas funciona com esta combinação de cores (branco sobre preto).

No entanto, se usarmos o modo “screen” no parâmetro “mix-blend-mode”, podemos obter o mesmo efeito com texto preto sobre fundo branco:

Imagem de fundo: marius badstuber / https://unsplash.com/photos/jrly8X7VfAc

 

Estes modos são actualmente suportados pelos navegadores de cerca de 85% dos utilizadores.

 

2. Imagens como caracteres

Neste exemplo, aprendemos como podemos usar elementos SVG (com data-uri)  como imagens de fundo em css, e uma vez que em SVG podemos usar texto, podemos inclusivamente usar emoji:

Podemos até animar os elementos através das propriedades de animação de keyframes em CSS.

Outro exemplo que a Lea Verou nos mostra é como utilizar esta propriedade para criar elementos de avaliações, combinando este truque com a tag <meter> de HTML.

 

3. Bordas com mais estilos

Ainda recorrendo a data-uri e SVG, Lea mostra-nos como podemos melhorar estilos e até animar bordas.

Com CSS simples, é praticamente impossível criar bordas animadas, ou mesmo com gradientes lineares, mas com SVG isso é possível.

Ao não atribuirmos definição ViewBox ao SVG, este vai assumir as dimensões do elemento em que é chamado, criando o efeito que pretendemos:

(inserir isto em html):

<style type=”text-css”>

               .animated-borders {

                   background: url(‘data:image/svg+xml,\

                   <svg xmlns=”http://www.w3.org/2000/svg”>\

                       <style>@keyframes animated-border {to {stroke-dashoffset: -15;}}</style>\

                       <rect width=”100%” height=”100%” style=”stroke: black; stroke-width: 4px; fill: none;\

                       stroke-dasharray: 10px 5px; animation:animated-border 1s infinite linear;” />\

                   </svg>’);

                   background-repeat: no-repeat;

                   width: 50%;

                   margin: 50px;

                   padding: 20px 50px;

                   font-family: Arial, Helvetica, sans-serif;

                   font-size: 8em;

                   font-weight: bold;

               }

           </style>

           <div class=”animated-borders”>

               Bordas animadas

           </div>

 

Podemos ainda atribuir estilos como gradientes, por exemplo, e animar da mesma forma:

(inserir isto em html):

<style type=”text-css”>

.animated-borders-b {

   background: url(‘data:image/svg+xml,\

   <svg xmlns=”http://www.w3.org/2000/svg”>\

       <style>@keyframes animated-border {to {stroke-dashoffset: -50;}}</style>\

       <linearGradient id=”lingrad” gradientTransform=”rotate(45)”>\

       <stop stop-color=”gold”></stop>\

       <stop stop-color=”red” offset=”1″></stop>\

       </linearGradient>\

       <rect width=”100%” height=”100%” style=”stroke :url(#lingrad); stroke-dasharray: 40px 10px; stroke-width:40px; fill:none;animation:animated-border 0.5s infinite linear;” />\

   </svg>’);

   background-repeat: no-repeat;

   width: 50%;

   margin: 50px;

   padding: 20px 50px;

   font-family: Arial, Helvetica, sans-serif;

   font-size: 8em;

   font-weight: bold;

}

           </style>

           <div class=”animated-borders”>

               Bordas animadas

           </div>

 

4. Cabeçalhos com Linhas dinâmicas

Utilizando as propriedades do flexbox e os pseudoelementos “::before” e “::after”, podemos obter linhas de cabeçalho dinâmicas que se ajustam automaticamente ao conteúdo, como podemos ver no seguinte exemplo:

C:\Users\Bruno Barbosa\AppData\Local\Microsoft\Windows\INetCache\Content.Word\FireShot Capture 9 -  - http___localhost_test_.png

Estes elementos irão preencher os espaços antes e depois do texto, enquanto a largura deste for inferior à largura do ecrã.

 

5. Menus CSS Acessíveis

Quando se criam menus exclusivamente em css, é impossível utilizar submenus e mantê-los facilmente acessíveis a utilizadores que usem apenas o teclado para navegar. O comportamento normal faz com que a pressionar a tecla TAB o foco do item do menu seja passado entre os elementos de primeiro nível, sem dar hipótese de sequer abrir o submenu.

C:\Users\Bruno Barbosa\AppData\Local\Microsoft\Windows\INetCache\Content.Word\Untitled-3.png

No entanto, se recorrermos à propriedade “::focus-within”, esta permite-nos selecionar os submenus correspondentes com a tecla TAB, e passar para o próximo menu e subsequentes submenus em sequência.

 

6. Fontes variáveis para largura de linha não variável

Fontes variáveis são um formato de tipografia anunciado em Setembro de 2016 em que, ao invés do método corrente em que, por exemplo, para cada peso uma fonte necessita um ficheiro com a especificação correspondente, o mesmo ficheiro permite ter as variações todas que lhe estejam disponíveis (não só o peso, mas altura da fonte, serifas, entre outros).

A Lea mostra-nos como podemos, num caso em que tenhamos várias linhas com um número diferente de caracteres, alternar tamanhos de fonte, mantendo o peso das mesmas, recorrendo às fonte variáveis, uma vez que estas não estão limitadas aos pesos pré-definidos por cada ficheiro da fonte, mas sim por um valor mínimo e máximo, e todos os valores entre eles estão disponíveis.

 

7. Flexbox Responsiva

Com este truque, conseguimos uma forma de utilizar elementos flexbox para obter responsividade nos elementos, sem ter que recorrer a “media queries” para determinar o tamanho do ecrã.

C:\Users\Bruno Barbosa\Desktop\artigocss\Untitled-5.png

 

 

8. Grid Auto Flow

Neste truque, a Lea recorreu ao CSS Grid (grelha) para dinamicamente, através das classes de CSS, reordenar e reorganizar elementos dispostos numa grelha.

Aqui vemos organizado tipo de desporto:

.sports {

    display:grid;

    grid-template-columns: 1fr 1fr;

    grid-gap:5px;

    grid-auto-flow:column;

}

.football {

   grid-column:2;

}

.f1 {

   grid-column:1;

}

 

Reorganizando por País / Equipa:

 

.sports {

    display:grid;

    grid-template-columns: 1fr 1fr;

    grid-gap:5px;

    grid-auto-flow:column;

}

.country {

   grid-column:2;

}

.team {

   grid-column:1;

}

 

9. Gráficos Circulares

Recorrendo à propriedade de gradiente cónico (“conic-gradient()”), a Lea mostrou como se podem criar gráficos circulares.

Um gradiente cónico funciona de forma semelhante a um gradiente linear, tendo em conta que os valores para cada cor não são cumulativos (em relação à cor anterior) mas sim absolutos, e que a última cor do gradiente deverá sempre ter um valor inferior ao da cor anterior.

.grafico {

   background: conic-gradient(

       #10069F 0% 30%, #3300ff 0% 60%, #7a7cc5 0% 75% , #c7caf1 0%

   );

}

 

A única ressalva neste truque é que de momento, apenas o Google Chrome suporta esta propriedade.

 

10. Items de grelha descendentes

Neste truque final, a Lea fala-nos da nova propriedade de “display”, “contents”.

Esta é uma propriedade que permite, aos elementos ao qual está atribuída, ignorar a propagação descendente de estilos de grelha.

Portanto, num caso em que tenhamos por exemplo uma grelha com elementos de input inseridos numa etiqueta:

<form>

   <label>Nome de Utilizador: <input name=”username”></label>

   <label>Senha: <input name=”password”></label>

</form>

 

Ao aplicarmos “display:contents” a essa etiqueta, as propriedades da grelha atribuídas ao formulário não passam para os elementos de etiqueta, e aos inputs correspondentes.

Juntos

Fazemos acontecer